Leituras de gravidez

Não li nada (ou quase nada) na gravidez do Rodrigo sobre bebés e educação. Não senti vontade… e sempre acreditei que o bom-senso, o amor e a consciência são os nossos maiores aliados.

Ele nasceu… e eu continuei a sentir isso.

Contudo, comecei a sentir-me um pouco “deslocada”. Parecia que aquilo que eu acreditava, aquilo que eu colocava em prática com o meu filho, não estava de acordo com aquilo que era esperado e aquilo que ouvia dos outros deixava-me, por vezes, bastante desconfortável. Isto para não dizer que, não foram poucas as vezes, em que me apeteceu mandar as pessoas para um certo sítio ou então abaná-las para ver se elas percebiam que estávamos apenas a falar e a lidar com um bebé e não com um monstro doentio, que se queria aproveitar de nós.

Foi então que decidi começar a ler qualquer coisa. E fiquei feliz! Fiquei feliz por perceber que existem muitas mães e pais por esse mundo fora que não acreditam na educação nos moldes tradicionais, mas acreditam no AMOR!

E mais do que acreditar no AMOR, fazem um trabalho de consciência dentro de si.

Questionam-se.

SENTEM!

Observam o que dizem e porque o dizem.

Não tentam mudar os comportamentos dos seus filhos. Não tentam mudar os seus comportamentos, sem o fazerem com total consciência.

Pais que valorizam o momento presente e sabem (ou começam a estar conscientes) que esta jornada da parentalidade é um caminho interior de descoberta e de muita aceitação e perdão.

Pais que começam a perceber que isto de ter filhos tem muitas crenças e valores associados e que podemos questionar, mudar e adaptar.

Pais que começam a perceber que pais não são mais do que filhos.

Pais que não vivem na ilusão da felicidade no futuro, mas que constroem relacionamentos felizes agora, baseados no amor e não no medo, assentes na consciência e não no “piloto automático”.

Foi bom perceber que eu não era a única que acreditava que não é possível educar os nossos filhos com um novo paradigma, sem mudarmos primeiro o paradigma dentro de nós.

Nessas leituras também descobri como o nosso ego disfarça boas intenções mas mantém a necessidade de controlo em ação.

É por isso que sinto ser cada vez mais importante cada um de nós, quer tenha filhos ou não, fazer o seu trabalho interior de consciência, de despertar para a dimensão de AMOR dentro de si, escolhendo abandonar os padrões de controlo e de mágoa do passado que deixamos atuar através de nós.

É também engraçado que neste caminho se vê tanta gente que sabe de educação, que fala sobre como as crianças devem agir ou não, mas na verdade, não estão em contacto com o AMOR em si mesmas e estão apenas preocupadas em sobreviver na sociedade, como se esse fosse o único caminho e o único propósito.

Acordar para um novo propósito e para um novo mundo é fundamental para mim. É por isso que partilho, que escrevo e acima de tudo, que questiono, olho para dentro e escolho fazer diferente!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s