Viver no presente

Viver no presente é literalmente estar AQUI e AGORA, e não usar este momento como um meio para um fim.

Aceitar este momento não é tornar tudo em aceitação. É permitir que este momento se expresse como tem que se expressar, sem nos esforçarmos para mudar o que já é.

Quando não gostamos de algo tentamos mudar.

Ou não gostamos do que fazemos.

Ou não gostamos do que os outros fazem.

Ou não gostamos do que está a acontecer.

Ou não gostamos do que sentimos.

Ou imaginamos que existe um lugar, um espaço no futuro, onde as condições vão ser melhores do que as que estamos a viver.

Ou isso, ou queremos muito que o passado se repita, porque antes é que era bom.

A mente tem sempre qualquer coisinha para nos retirar o foco deste momento!

E mesmo quando estamos neste momento, aparentemente a viver o presente, catalogamos o momento. Damos um nome, uma qualidade, um objetivo, um significado.

Esta semana vivi uma situação que me trouxe medo. Medo que algo que aconteceu no passado se torna-se a repetir.

E sei que existem ferramentas para ir lá atrás e libertar a emoção.

E sei que há quem diga para dizer afirmações positivas no momento.

E sei imensas coisas, que até podem ser úteis.

A mais útil para mim naquele momento foi fechar os olhos e respirar. Entregar a situação ao Espírito Santo.

Felizmente fui sendo relembrada que estava a viver no futuro: a imaginar o que poderia acontecer.

E, de um momento para o outro, a paz que vinha apenas em momentos e era interrompida por picos de medo, tornou-se constante. Aceitei aquele momento pelo que era. Aceitei que eu própria não fazia ideia do que estava a acontecer e percebi que estava a criar cenários. Abri mão da minha “inteligência”, da minha lógica e entreguei-me. O que quer que fosse, estava bem e eu estava aberta a isso.

Não querer mudar. Abrir mão do controlo.

E abre-se mão do controlo a cada momento.

Às vezes as pessoas falam comigo sobre a frustração que sentem do controlo não desaparecer. Das emoções continuarem a surgir. Dos desafios que vão tendo e de não conseguirem estar completamente em paz e de não viverem como “deveriam viver”, em paz e aceitação.

Cada momento é uma oportunidade para o aceitarmos como ele é. Incluindo aceitar que não aceitamos, que controlamos e que os “devias ser assim ou assado” da mente são outras formas de controlo da mente e um entretenimento para ela própria!

Não existe um devia, não existe o que está certo, nem o que está errado.

Existe a vivência de cada um a cada instante, que é perfeita.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s